, , , , , ,

Suplemento para dar Energia – BIOvita


A fadiga, cansaço e a falta de energia são problemas comuns que tem afetado cada vez mais as pessoas. Uma má alimentação faz com faltem nutrientes essenciais para o funcionamento adequado do corpo, tornando necessário recorrer a um suplemento que garante mais energia.

Apresentação: Bolsa com 30 sachês sabor cítrico

R$91,00

Simulação de frete

A fadiga, cansaço e a falta de energia são problemas comuns que tem afetado cada vez mais as pessoas. Uma má alimentação faz com faltem nutrientes essenciais para o funcionamento adequado do corpo, tornando necessário recorrer a suplementos que vão garantir mais energia. O Suplemento para dar Energia – BIOvita foi desenvolvido com o objetivo de atender a essa necessidade, composto por mais de 30 ativos naturais que variam entre aminoácidos, vitaminas, minerais e fitoterápicos, que atuam melhorando a saciedade, a flora intestinal e fornecendo mais energia, além de queimar as gorduras presentes no corpo e promover o aumento da massa magra.

  • Principais Indicações do Suplemento para dar Energia – BIOvita:
    • – Melhora da performance em exercícios físicos;
    • – Aumento de energia e promoção de massa magra;
    • – Suplementação de nutrientes essenciais;
    • – Promoção da saciedade;
    • – Melhora da flora intestinal;
    • – Promoção da queima de gorduras;
    • – Auxiliar na prevenção de doenças.

 

  • Composição do Suplemento para dar Energia – BIOvita:
    • Ácido Málico – 50mg
    • Whey Protein Isolado Glambia – 1,5g
    • Betacaroteno – 20mg
    • Astragalus – 20mg
    • Palatinose – 200mg
    • Taurina – 50mg
    • Guaraná – 50mg
    • Arginina – 80mg
    • Leucina – 300mg
    • Isoleucina – 100mg
    • Valina – 100mg
    • Cafeína – 30mg
    • Polidextrose – 100mg
    • Inulina – 80mg
    • Acerola – 100mg
    • Chá Verde – 100mg
    • Chá Branco – 50mg
    • Hibiscus – 40mg
    • Açaí – 100mg
    • Resveratrol – 10mg
    • Selênio – 10mcg
    • Cramberry – 50mg
    • Berinjela – 50mg
    • Tamarindo – 50mg
    • Carbonato de Cálcio – 200mg
    • Vitamina C – 100mg
    • Vitamina K2mk7 – 32 mcg
    • Vitamina B2 – 0,2mgx
    • Vitamina B3 – 7,8mg
    • Vitamina B6 – 1,3 mg
    • Vitamina B5 – 5mg
    • Vitamina B12 – 0,6mg
    • Aroma + Excipientes qsp – 1 sachê

Modo de Usar o Suplemento para dar Energia – BIOvita: Uso oral – Tomar 1 sachê ao dia, diluído em 500ml de água.

 

Na composição do Suplemento para dar Energia – BIOvita encontramos:

ÁCIDO MÁLICO – O ácido málico é um componente natural presente em muitos alimentos, sobretudo em frutas como a maçã, e com ótima biodisponibilidade no Suplemento para dar Energia – BIOvita. Utilizado como suplemento alimentar, já que se considera benéfico para a saúde. Uma das principais propriedades medicinais a ele atribuídas é a sua capacidade para eliminar a fadiga crônica, um sintoma muito comum nas pessoas que sofrem de fibromialgia. Uma das vantagens mais comentadas deste curativo componente é sua capacidade de aumentar os níveis de energia.

WHEY PROTEIN – A Whey Protein Isolado (WPI) é a proteína isolada do soro do leite. Uma proteína com atributos funcionais essenciais para aplicação em produtos alimentícios e suplementação nutricional, com o objetivo de hipertrofia (crescimento dos músculos) ou a manutenção da massa magra, evitando o catabolismo. Com capacidade de ser digerida rapidamente, é muito utilizada após os treinos para ajudar a aumentar os níveis de aminoácidos no sangue, que são absorvidas pelos músculos, e aumentar a massa. Além disso, durante o exercício, a Whey Protein pode ajudar a abrir o fluxo de sangue, inibindo uma enzima conversora de angiotensina, que originalmente contrai os vasos sanguíneos, o que permite um melhor fluxo de nutrientes para as áreas necessárias para ajudar a reparar e reconstruir tecidos musculares.

BETACAROTENO – Conhecido também como Vitamina A é um termo genérico utilizado para descrever qualquer composto que possua atividade biológica de retinol, atuam em mecanismos de eliminação de radicais livres, depositando-se na pele e absorvendo determinados comprimentos de onda da radiação ultravioleta.

ASTRAGALUS – Melhora o sistema imunológico e fornecer mais “força de vida”, podendo restaurar a perda de energia e a fadiga. Astragalus pode aumentar o número de células brancas e níveis de interferon, importantíssimos no combate a vírus, e também observou-se que o Astragalus intensifica a atividade dos macrófagos. É utilizado como adjuvante no tratamento de infecções virais, gripes.

PALATINOSE – A Palatinose é um carboidrato derivado da fonte natural de sacarose. Ela pode ser encontrada, por exemplo, em mel e extrato de cana-de-açúcar e com grande biodisponibilidade no Suplemento para dar Energia – BIOvita. Palatinose é o único carboidrato funcional que é totalmente digerível e lentamente liberado. Em outras palavras, fornece glicose de uma forma mais equilibrada, fornecendo assim energia prolongada.

TAURINA – Taurina é um aminoácido que está relacionado com uma série de funções fisiológicas e biológicas no sistema nervoso central. É usada nos energéticos por seu efeito desintoxicante, facilitando a excreção de substâncias pelo fígado que não são mais importantes ao corpo. Outro atributo relacionado a este aminoácido é de poder intensificar os efeitos da insulina, tendo sido responsável por um melhor funcionamento do metabolismo de glicose e aminoácidos, podendo auxiliar o anabolismo.

GUARANÁ – É indicado como estimulante do Sistema Nervoso Central além de diminuir a fadiga. O uso do guaraná mantém o nível do glicogênio hepático e inibe a formação da enzima MAO que acarreta a depressão.

ARGININA – É um aminoácido produzido pela hidrólise ou digestão de proteínas. A Arginina estimula a hipófise, aumentando a secreção do hormônio de crescimento; isso explica sua ação queimando gorduras e promovendo o desenvolvimento da massa muscular. Durante o exercício físico, através de desaminação das proteínas, o organismo produz grande quantidade de amônia. O aumento na concentração de amônia por sua vez produz um aumento de lactato sanguíneo, ocasionando a fadiga muscular. A Arginina e a Ornitina convertem a amônia em ureia (30 vezes menos tóxica) diminuindo, assim, a fadiga muscular. Esse aminoácido pode ser produzido pelo corpo humano; no entanto, em recém-nascidos e em certos casos de saúde, a produção pode não atender as necessidades mínimas, sendo necessário o uso do Suplemento para dar Energia – BIOvita

LEUCINA – Aminoácido utilizado como suplemento alimentar. No campo da nutrição clínica, além do seu uso habitual em nutrição enteral e parenteral, a L-Leucina é largamente utilizada em combinação com a L-Isoleucina e L-Valina em preparações ricas em BCAA para pacientes com disfunções hepáticas para melhorar seus estados nutricionais, é um importante componente na nutrição esportiva e alimentos para a saúde, aumenta a capacidade de cicatrização dos ossos, pele e tecido muscular, razão pela qual é feita sua suplementação antes de cirurgias.

ISOLEUCINA – Nutricionalmente é um aminoácido essencial, é encontrada nas proteínas. Pelo fato de que suas propriedades físico-químicas são muito similares às da L-Leucina, a L-Isoleucina pura não é facilmente obtida a partir dos hidrolisados de proteínas, mas pode ser obtida por fermentação. Está envolvida na regulação da síntese proteica e na manutenção da massa muscular corporal. Normalmente é indicada como ingrediente de soluções parenterais e enterais de aminoácidos e em suplementos de aminoácidos de cadeia ramificada. Participa do metabolismo glicídico e ajuda a regular a glicemia.

VALINA – É um aminoácido essencial para o funcionamento do organismo. Os aminoácidos essenciais devem ser fornecidos pela alimentação, pois sua produção no organismo é insuficiente às necessidades metabólicas. Importante componente na nutrição esportiva e alimentos para a saúde, melhora o metabolismo muscular e o balanço nitrogenado, juntamente com leucina e isoleucina.

CAFEÍNA – Possui ação estimulante no sistema nervoso central (SNC). Presente em diversas espécies vegetais, como café, cacau, chá verde, erva mate, guaraná e ainda em bebidas como refrigerantes e energéticos, a cafeína é amplamente consumida pela população de uma forma geral. No entanto, no meio esportivo, a cafeína destaca-se pelo seu potencial como recurso ergogênico, sendo um dos suplementos mais consumidos em todo o mundo. Os recursos ergogênicos são quaisquer substâncias, técnicas ou equipamentos que proporcionam melhora da performance esportiva. Neste sentido, a cafeína é utilizada com o principal objetivo de postergar a fadiga e pode ser usada tanto nas modalidades esportivas que utilizam-se de metabolismo aeróbio, quanto anaeróbio, com ou sem oxigênio, respectivamente.

POLIDEXTROSE – É reconhecida como uma fibra dietética, na mesma categoria da inulina e galacto-oligossacarideos de soja. Estando presente no Suplemento para dar Energia – BIOvita devido a sua estrutura complexa e compactada da molécula impede sua completa digestão enzimática no organismo, justificando seu reduzido valor energético.

INULINA – É uma fibra dietética solúvel 100% vegetal, e também um prebiótico, ou seja: ”são ingredientes alimentares não digeríveis, que afetam beneficamente o hospedeiro por estimular seletivamente, um ou um número limitado de bactérias em curto período” (Roberfroid, 1994), pois serve como alimento para as bactérias intestinais (bifidobactérias) que ajudam a regular o intestino e fortalecer o sistema imunológico. A Inulina pode ser favorável no controle da glicemia e, insulinemia e perfil lipídico. A Biopharma pensando nas alimentações com baixo consumo deste ativo, traz no Suplemento para dar Energia – BIOvita esse ativo de grande importância ao organismo.

ACEROLA – Rica em vitamina C e contém ainda sais minerais, proteínas, flavonoides, caroteno e vitaminas do complexo B. É utilizada como suplemento nutricional e fonte de vitamina C, com alta atividade antioxidante. Contribui para fortalecer o sistema imunológico do organismo. Além disso, possui ação antiescorbútica e antioxidante, neutralizando os radicais livres o que contribui para retardar o envelhecimento.

CHÁ VERDE – Considerada uma bebida benéfica à saúde, devido às suas propriedades antioxidantes, antiinflamatórias, antihipertensivas, antidiabéticas e antimutagênicas. Os polifenóis contidos no Chá verde são as catequinas, com múltiplas estruturas ligadas como anéis. É 20 vezes mais potente que a vitamina E em reduzir a formação de peróxidos pelo método do oxigênio ativo, in vitro. O Chá verde extrato é usado primeiramente por sua capacidade de combater radicais livres, mas existem várias outras aplicações. Seu ingrediente chave (-) Epigallocatechina Gallate (EGCG), protege contra infecções digestivas e respiratórias. O Chá verde auxilia no emagrecimento, promove a queima de gorduras localizadas, diminui as taxas de colesterol, além de ativar o sistema .

CHÁ BRANCO – Sua principal propriedade terapêutica é a propriedade antioxidante. O Chá Branco, também conhecido como “White Tea”, entre todos os chás conhecidos é o que apresenta maior concentração de polifenóis além de outros antioxidantes que ajudam a neutralizar os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento celular. Além dos polifenóis também é rico em manganês, potássio, ácido fólico e vitaminas C, K, B1 e B2. Assim como o chá verde, o branco acelera o metabolismo e ajuda a eliminar a gordura corporal.

HIBISCUS – Possui propriedades anti-inflamatórias e demulcentes (protege as membranas mucosas e alivia as irritações) úteis em casos de constipação e irritação das vias respiratórias. Tem ação antiespasmódica, diurética, digestiva, laxante suave, corante e aromatizante. Atenua espasmo e cólicas uterinas e gastrointestinais; aumenta a diurese e favorece a digestão lenta e difícil. Possui ainda propriedade anti-hipertensiva e calmante.

AÇAÍ – É rico em proteínas, fibras, lipídios, vitamina E minerais, além de apresentar elevado teor de antocianinas. A quantidade de flavonóides do açaí é 30 vezes a quantidade encontrada no vinho tinto. Contém uma grande quantidade de vitaminas e de antioxidantes em sua composição que atuam diretamente na eliminação dos radicais livres. Ajuda a manter um sistema imunológico saudável.

RESVERATROL – É um antioxidante, um suplemento nutricional derivado da knotweed japonês (Polygonum cuspidatum). Protege o corpo do envelhecimento celular e aumentando a longevidade. Pode ser indicado na prevenção de doenças cardiovasculares por ser um inibidor da agregação plaquetária, combater o colesterol (LDL) e melhorar a flexibilidade dos vasos sanguíneos.

SELÊNIO – É um mineral essencial ao organismo, oferece proteção contra diversos cânceres e contra um amplo espectro de doenças como: doenças crônicas, como arterosclerose (doença das artérias coronarianas, doença cerebrovascular e doença vascular periférica), doença degenerativa das articulações (artrite), cirrose e doença pulmonar obstrutiva crônica (enfisema). É indicado como preventivo nas alterações degenerativas do pâncreas; exerce efeito protetor, retardando o desenvolvimento do tecido cancerígeno; deficiências imunológicas;

CRAMBERRY – Pesquisas científicas recentes também demonstram que o Cramberry contém quantidades significativas de antioxidantes e outros fitonutrientes com o potencial de impedir danos oxidativos causados pela espécie reativa do oxigênio, deste modo, protege o organismo contra doenças cardiovasculares e câncer. É bastante indicado para prevenção de infecções do trato urinário. Outros benefícios do cranberry são de reduzir a inflamação, dor e melhorar a digestão. Os cranberries contêm quantidades significativas de flavonoides e de compostos polifenólicos capazes de inibir a oxidação da lipoproteína de baixa densidade (LDL), contribuindo assim, com a redução do risco de desenvolver doença de coração, melhorando os níveis de colesterol, a aterosclerose diminuído o risco de ataque cardíaco.

BERINJELA – Indicada como hipocolesterolêmico, diurético, antioxidante, hipoglicemiante, e como coadjuvante nas dietas de emagrecimento. A redução do colesterol plasmático ocorre por inibição na absorção do colesterol, por ligação de algum componente da berinjela com sais biliares essenciais na absorção intestinal do colesterol e devido à presença da niacina. O alto teor de fibra presente na berinjela forma um gel no lúmen intestinal modificando a estrutura da mucosa do intestino e aumentando a produção de mucina, que atua com barreira para a absorção de glicose auxiliando no controle do diabetes e do peso corpóreo.

TAMARINDO – Rica em pectina, ácidos orgânicos, vitaminas B e C e betacaroteno. As folhas contêm fósforo, potássio, cálcio, magnésio, vitamina C e betacaroteno. As sementes são ricas em proteínas e minerais, como cálcio, fósforo, potássio e magnésio. Seu sabor ácido-doce é inigualável para uso na culinária. Indicado em casos de febre, intestinos presos, inflamações da garganta e estômago, hematemese, vermes intestinais, tosse.

CARBONATO DE CÁLCIO – É um mineral essencial para a formação e manutenção dos ossos e dos dentes, e fundamental para o crescimento, atua na coagulação sanguínea, na contração e relaxamento muscular, na transmissão de impulsos nervosos e ainda tem atuação no ritmo cardíaco.

VITAMINA C – Agente redutor e antioxidante. Direta ou indiretamente fornece elétrons a enzimas que requerem íons metálicos reduzidos. Age como cofator para prolil e lisil hidroxilases na biossíntese do colágeno. Participa também do metabolismo de ácido fólico, fenilalanina, tirosina, ferro, histamina, norepinefrina e alguns sistemas enzimáticos de fármacos, bem como da utilização de carboidratos; da síntese de lipídios, proteínas e carnitina; da função imune; da hidroxilação da serotonina; e da preservação da integridade dos vasos sanguíneos.

VITAMINA K2 MK7 – Melhora a saúde cardiovascular, aumentando simultaneamente a densidade mineral óssea. Através do envelhecimento, desnutrição ou doenças, há uma deficiência na produção de Vitamina K2 no organismo. Como um dos principais resultados dessa deficiência, o cálcio não é incorporado corretamente aos ossos, tornando-os fracos e quebradiços, enquanto há um acumulo nas artérias. Esse cálcio acumulado endurece e bloqueia as artérias. Atualmente a deficiência desta vitamina está se tornando um problema importante, pois está associada a diversos problemas de saúde como osteoporose, fraturas ósseas frequentes, e riscos cardiovasculares. Assim, é muito importante a suplementação da dieta com uma quantidade apropriada de Vitamina K2 – MK-7, para se obter ossos e artérias saudáveis.

VITAMINA B2 – A Riboflavina é uma vitamina hidrossolúvel essencial para a utilização da energia dos alimentos; ela atua na geração de energia via ATP. A exigência de Riboflavina é frequentemente relacionada com o gasto de energia pelo organismo, mas parece estar mais relacionada com o metabolismo de repouso. Assim como outras vitaminas do complexo B, a Riboflavina age como uma coenzima no metabolismo das proteínas, gorduras e carboidratos.

VITAMINA B3 – A niacinamida, ou nicotinamida, é uma das duas formas de vitamina B3; a outra é a niacina. Necessária para centenas de reações enzimáticas; a investigação demonstrou os seus efeitos benéficos na artrite, asma, diabetes, doenças cardiovasculares, stress ou acidentes vasculares cerebrais. A vitamina B3 é indicada para suplementação; tratamento e prevenção do déficit de vitamina B3 (pelagra); tratamento tópico de acne leve a moderada; tratamento oral com tetraciclina para controle de lesões de pênfigo.

VITAMINA B6 – Utilizada nos tratamentos e na prevenção dos estados de carência da vitamina no organismo, no tratamento de certos distúrbios metabólicos, na depressão e outros sintomas associados a STPM (Síndrome da Tensão Pré-menstrual) e ao uso de anticoncepcionais. É uma vitamina hidrossolúvel, envolvida principalmente no metabolismo dos aminoácidos e também no metabolismo glicídico e lipídico, necessária também para a formação da hemoglobina.

VITAMINA B5 – O Pantotenato de cálcio (vitamina B5) é uma vitamina hidrossolúvel alifática que se utiliza principalmente em forma de sal de cálcio, a qual é mais estável e depois se transforma no ácido no interior do organismo, tendo a mesma atividade. Faz parte da coenzima A, essencial no metabolismo de hidratos de carbono, gorduras e proteínas. Atua como fonte de ácido pantotênico nas deficiências nutricionais gerais (embora estas deficiências sejam raras), como prevenção da queda de cabelos, em muitas dermatites e também no vitiligo. Por via tópica atua como hidratante e regenerador da epiderme.

VITAMINA B12 – A mais complexa das vitaminas, contém um microelemento, o cobalto que, na B12 purificada, constitui um cofator e uma coenzima em muitas reações bioquímicas, como síntese de DNA, síntese de metionina a partir da homocisteína e conversão do propionil em succinil coenzima A, a partir do metilmalonato. As aplicações da Vitamina B12 são: Deficiência da Vitamina B12; Tratamento de anemia megaloblastica e perniciosa; Dermatite atópica; Suplementação para idosos.

Peso 360 g
Dimensões 27 × 20 × 6 cm

1-) Codigo: 5672

2-) Nome: Biosênior

3-) Descrição: Indicado para auxiliar em exercícios físicos com aumento de energia e massa magra

            3.1-) Apresentação: Bolsa com 30 sachês sabor cítrico

 

4-) Informações sobre o produto:

            4.1-) Para que serve?

A fadiga e a falta de energia são problemas comuns que tem afetado cada vez mais as pessoas. Uma má alimentação faz com faltem nutrientes essenciais para o funcionamento adequado do corpo, tornando necessário recorrer a suplementos que vão garantir mais energia. O Biosênior foi desenvolvido com o objetivo de atender a essa necessidade, composto por mais de 30 ativos naturais que variam entre aminoácidos, vitaminas, minerais e fitoterápicos, que atuam melhorando a saciedade, a flora intestinal e fornecendo mais energia, além de queimar as gorduras presentes no corpo e promover o aumento da massa magra. Em sua composição, está presente:

 

ÁCIDO MÁLICO – O ácido málico é um componente natural presente em muitos alimentos, sobretudo em frutas como a maçã. Também é muito utilizado como suplemento alimentar, já que se considera benéfico para a saúde. Uma das principais propriedades medicinais a ele atribuídas é a sua capacidade para eliminar a fadiga crônica, um sintoma muito comum nas pessoas que sofrem de fibromialgia. Uma das vantagens mais comentadas deste curativo componente é sua capacidade de aumentar os níveis de energia. Por outro lado, os investigadores descobriram que nas pessoas que sofrem de fibromialgia, se constata uma diminuição dos níveis de oxigênio nos seus músculos, conhecido como hipóxia muscular. Quando estes músculos foram submetidos a estudos, foi possível constatar que existe uma grande degradação do tecido muscular, dano celular e baixos níveis de ATP. Este panorama explica muito bem o porquê das dores musculares de quem sofre de fibromialgia. Nessas investigações foi evidenciado que o ácido málico pode ser de grande ajuda, para aliviar a dor muscular.

Por sua vez, também permite que o corpo produza ATP (trifosfato de adenosina) e portanto possa ter maior nível de energia, combatendo a falta de vontade da fadiga crônica. O ácido málico também tem o poder de melhorar a resistência celular. Sobretudo quando trabalha de forma conjunta com o magnésio. Estes dois componentes nutritivos agem como um desintoxicante potente do alumínio e outros elementos tóxicos, que aumentam a deterioração corporal e facilitam o desenvolvimento de doenças como a fibromialgia.

 

WHEY PROTEIN – A Whey Protein Isolado (WPI) é a proteína isolada do soro do leite. Uma proteína com atributos funcionais essenciais para aplicação em produtos alimentícios e suplementação nutricional, com o objetivo de hipertrofia (crescimento dos músculos) ou a manutenção da massa magra, evitando o catabolismo. Com capacidade de ser digerida rapidamente, é muito utilizada após os treinos para ajudar a aumentar os níveis de aminoácidos no sangue, que são absorvidas pelos músculos, e aumentar a massa. Além disso, durante o exercício, a Whey Protein pode ajudar a abrir o fluxo de sangue, inibindo uma enzima conversora de angiotensina, que originalmente contrai os vasos sanguíneos, o que permite um melhor fluxo de nutrientes para as áreas necessárias para ajudar a reparar e reconstruir tecidos musculares. Trata-se de um pó cristalino amarelo com no mínimo 90% de proteína do soro do leite, 3,4% de carboidratos e menos de 1,3% de gordura. As proteínas do soro do leite possuem frações, ou peptídeos do soro que são constituídas de beta-lactoglobulina (BLG), alfa-lactoalbumina (ALA), albumina do soro bovino (BSA), imunoglobulinas (Ig’s) e glico-macropeptídeos (GMP). Presentes em todos os tipos de leite, a proteína do leite bovino contém cerca de 80% de caseína e 20% de proteínas do soro, percentual que pode variar em função da raça do gado, da ração fornecida e do país de origem. A Whey Protein aumenta as concentrações plasmáticas de aminoácidos que favorece a captação deste para o interior da célula muscular, otimizando a síntese e reduzindo o catabolismo proteico. Portanto, seus benefícios sobre o ganho de massa muscular estão relacionados ao perfil de aminoácidos, principalmente da leucina (um importante desencadeador da síntese proteica), à rápida absorção intestinal de seus aminoácidos e peptídeos e à sua ação sobre a liberação de hormônios anabólicos, como, por exemplo, a insulina. Melhoram, também, o desempenho muscular, por elevarem as concentrações de glutationa, diminuindo, assim, a ação dos agentes oxidantes nos músculos esqueléticos. A regeneração muscular é caracterizada por duas fases: uma fase degenerativa e outra regenerativa, em que o evento inicial consiste em necrose das fibras musculares e rompimento das miofibras sarcolemais, o que reflete no aumento de níveis séricos de proteínas musculares. No segundo evento, ocorre a proliferação celular e é neste momento que as células satélites desempenham seu papel. WPI é indicada para substituir ovo nos produtos, para produtos nutricionais e formulações infantis. Pode ser aplicada em barras proteicas, fortificantes nutricionais, produtos panificados, produtos lácteos, sobremesas, congelados, sopas, molhos, salgados, carnes e produtos de confeitaria.

 

BETACAROTENO – Os carotenóides são um grupo de antioxidantes encontrados em quantidades concentradas em diversas frutas e vegetais, existindo duas classes principais – Carotenos: incluindo o betacaroteno; Xantofilas: inclui luteína e zeaxantina. O caroteno apresenta-se sob três formas isômeras: betacaroteno (forma mais ativa), alfa e gamacaroteno. Todas essas formas são convertidas na parede do intestino delgado em vitamina A. Vitamina A é um termo genérico utilizado para descrever qualquer composto que possua atividade biológica de retinol: retinol (álcool), retinol (ácido) e os carotenóides. O termo pró-vitamina A é também genérico, e utilizado para descrever os carotenóides que exercem função de vitamina A, sendo um dos mais comuns o betacaroteno. O betacaroteno é o carotenóide encontrado na natureza (exemplos: cenoura, folhas verde escuras, vegetais de cor amarela e laranja) com maior poder de formação de vitamina A e é capaz de conferir proteção contra diversos tipos de tumores em animais. Portanto, o betacaroteno é um precursor de vitamina A, e tem sido utilizado para diminuir a reação de fotossensibilidade severa em pacientes com protoporfiria eritropoiética e anomalias relacionadas à pigmentação: erupções polimorfas causadas pela luz solar, e Lupus Eritematoso Discóide. Também é utilizado como bronzeador oral pelo escurecimento que provoca à pele, tem o poder de prolongar a cor por mais tempo por ativar a melanina, pigmento que dá cor a pele e favorece o bronzeado; e como corante em produtos alimentícios. O mecanismo de ação dos carotenóides ainda não está 100% esclarecido, mas sabe-se que eles atuam em mecanismos de eliminação de radicais livres, depositando-se na pele e absorvendo determinados comprimentos de onda da radiação ultravioleta.

 

ASTRAGALUS – Astragalus é uma erva da medicina Chinesa usada tradicionalmente para melhorar o sistema imunológico e fornecer mais “força de vida”, podendo restaurar a perda de energia e a fadiga. É nativa do Norte da China e Mongólia e existem mais de 2000 tipos no mundo, sendo que o Astragalus Membranaceus é o mais utilizado para propósitos medicinais. Seu uso é milenar, e os benefícios já eram conhecidos a mais de 4500 anos atrás na época do Império chinês, onde somente os imperadores e a sua família poderiam fazer uso desta erva. Qualquer outra pessoa que fosse pega fazendo uso de Astragalus era condenada à morte. É conhecido como huang chi ou huang qi, estimula e potencializa os componentes do sistema imune, incluindo a atividade das células natural killer. Em indivíduos com baixo número de leucócitos, Astragalus pode aumentar o número de células brancas e níveis de interferon, importantíssimos no combate a vírus, e também observou-se que o Astragalus intensifica a atividade dos macrófagos. É utilizado como adjuvante no tratamento de infecções virais, gripes e Influenza, como imunomodulador promovendo aumento da histamina, no tratamento de diarreia crônica, no tratamento de edemas, no tratamento de sangramento anormal uterino, como agente cardiotônico, como complemento nos tratamentos de quimioterapia e como estimulante geral em situações de fadiga e estresse.

 

PALATINOSE – A Palatinose é um carboidrato derivado da fonte natural de sacarose. Ela pode ser encontrada, por exemplo, em mel e extrato de cana-de-açúcar. Palatinose é o único carboidrato funcional que é totalmente digerível e lentamente liberado. Em outras palavras, fornece glicose de uma forma mais equilibrada, fornecendo assim energia prolongada. A Palatinose queima mais calorias provenientes de gordura sob a atividade física em comparação com outros carboidratos. A fabricação em larga escala de Palatinose a partir do açúcar da beterraba foi possível somente após a descoberta de uma enzima naturalmente ativa com a capacidade única para modi­car a estrutura molecular da sacarose convencional. A palatinose é o resultado da reorganização do vínculo que liga as duas partes moleculares de sacarose, glicose e frutose, resultando em um novo carboidrato com uma maior estabilidade da articulação e uma estrutura de propriedades nutricionais e fi­siológicas distintas.

 

TAURINA – Taurina é um aminoácido que está relacionado com uma série de funções fisiológicas e biológicas no sistema nervoso central. Além disso, a falta desse aminoácido está relacionada a disfunção renal, cardiomiopatia e danos à visão, uma vez que tecidos oculares possuem, quando saudáveis, consideráveis quantidades de taurina. Trata-se de um pó branco cristalino sem odor, com propriedade nutriente, moderadamente solúvel em água, e insolúvel em etanol e éster. A taurina é uma substância química ácida encontrada na bile. Atua como emulsionante dos lipídios ingeridos e assiste na sua absorção. É usada nos energéticos por seu efeito desintoxicante, facilitando a excreção de substâncias pelo fígado que não são mais importantes ao corpo. Outro atributo relacionado a este aminoácido é de poder intensificar os efeitos da insulina, tendo sido responsável por um melhor funcionamento do metabolismo de glicose e aminoácidos, podendo auxiliar o anabolismo. Artigos recentes afirmam que a Taurina pode atenuar o aumento dos níveis de colesterol total e do LDL, em indivíduos que possuem dieta hipercalórica. Além disso, produto endógeno derivado da Taurina, age na supressão do estresse oxidativo relacionado com a obesidade e a inflamação nos adipócitos. Dados recentes apontam a importância da taurina como suplemento adjuvante no diabetes, por atuar em complicações relacionadas com a doença como neuropatias e retinopatias. Esse aminoácido desempenha um importante papel na manutenção da integridade celular do músculo cardíaco e esquelético, retina e do sistema nervoso central. Algumas especialidades que podem se beneficiar do uso da Taurina: Geriatria; Nutrição funcional e esportiva; Clínica médica e medicina esportiva; Endocrinologia; Neurologia. É usada como suplemento dietético e como coadjuvante no tratamento da hipercolesterolemia e de doenças cardiovasculares. Participa da síntese de ácidos biliares, como o ácido taurocólico, ativa a formação de ácido gama-amino butírico (GABA) e dificulta a transmissão das catecolaminas e da acetilcolina.

 

GUARANÁ – Arbusto de ramos escandentes ou trepadores, de crescimento vigoroso, podendo seus ramos atingir até 10 m de comprimento. As flores são pequenas, de cor creme e pouco vistosas. Os frutos são cápsulas globosas, de cor vermelho-viva, que se abrem quando ainda na planta, expondo as sementes de cor preta brilhante. Cada fruto produz até 9 sementes, mas só uma se desenvolve. É nativo da região Amazônica. É indicado como estimulante do Sistema Nervoso Central além de diminuir a fadiga. Das três xantinas mencionadas (cafeína, teobromina e teofilina) a cafeína é a que possui uma ação estimulante mais potente, além disso, ela relaxa a musculatura dos vasos sanguíneos periféricos e contrai a musculatura dos vasos cerebrais; é um diurético de curta duração e aumenta a secreção gástrica. O uso do guaraná mantém o nível do glicogênio hepático e inibe a formação da enzima MAO que acarreta a depressão. Portanto, o guaraná pode também ser recomendado na astenia, depressão nervosa, favorece a atividade intelectual, dispepsias, flatulências, fermentações anormais e diarréia, prevenção da arteriosclerose, tromboembolismo e cefaleias.

 

ARGININA – A L-Arginina apresenta-se como um pó cristalino branco e quase inodoro. A Arginina é um aminoácido produzido pela hidrólise ou digestão de proteínas. Ela é uma das bases hexonas, e fornece o grupo amidina para a síntese de creatina. A Arginina também é formada pela transferência de um átomo de nitrogênio de aspartato para citrulina no ciclo da ureia. Ela a seguir perde ureia, para formar Ornitina. A Arginina é usada no tratamento da hiperamonemia e como auxílio-diagnóstico na avaliação da função hipofisária. O nome químico da L-Arginina é ácido L-2-Amino-5- guanidinovalérico. A Arginina é um aminoácido alifático essencial ao crescimento infantil, utilizado como suplemento dietético. A Arginina estimula a hipófise, aumentando a secreção do hormônio de crescimento; isso explica sua ação queimando gorduras e promovendo o desenvolvimento da massa muscular. Durante o exercício físico, através de desaminação das proteínas, o organismo produz grande quantidade de amônia. O aumento na concentração de amônia por sua vez produz um aumento de lactato sanguíneo, ocasionando a fadiga muscular. A Arginina e a Ornitina convertem a amônia em ureia (30 vezes menos tóxica) diminuindo, assim, a fadiga muscular. Esse aminoácido pode ser produzido pelo corpo humano; no entanto, em recém-nascidos e em certos casos de saúde, a produção pode não atender as necessidades mínimas. As melhores fontes de L-Arginina são chocolate, coco, laticínios (leite e queijo), gelatina, carne, aveia, ovos, amendoim, soja, nozes, farinha de trigo, trigo e germe de trigo. A Arginina possui propriedades farmacológicas que atuam em diversos aspectos, como: Aumento da imunidade – A suplementação de Arginina estimula o timo e provoca a produção de linfócitos nessa glândula. Esses efeitos parecem estar relacionados a seus efeitos na secreção de vários hormônios endócrinos. Um grupo de pesquisadores japoneses relatou recentemente que células imunológicas de seres humanos saudáveis, incubadas com excesso de Arginina in vitro, demonstraram um aumento de três vezes na atividade das células de defesa e aumentos igualmente significantes em outras atividades imunes desejáveis, como um aumento de atividade antitumoral direta. Portanto, a L-Arginina pode beneficiar pacientes de AIDS e tratar doenças que afetam o sistema imunológico; Combate ao câncer – Existem evidências cada vez maiores de que a Arginina inibe o crescimento de diversos tumores. Em trabalhos com animais, mais de uma dezena de tumores diferentes foram inibidos, em termos de regressão, crescimento mais lento e menor incidência. Existem hoje, 50 anos de evidências acumuladas que atestam o potencial antitumoral da Arginina; Desenvolvimento de músculos e queima de gordura – Um número cada vez maior de atletas, adeptos da musculação e pessoas em dieta vem usando a Arginina. Esse aminoácido aumenta a secreção do hormônio de crescimento, que na corrente sanguínea ajuda a queimar gorduras e desenvolver a musculatura. A L Arginina ajuda a manter um equilíbrio adequado de nitrogênio, funcionando como veículo ao transporte e armazenamento do nitrogênio, favorecendo a excreção de seu excesso; Cicatrização – Ao estimular a secreção do hormônio do crescimento, a Arginina acelera a cicatrização de ferimentos, e inibe a perda de massa muscular após cirurgias ou ferimentos. Vários estudos com animais documentaram esses efeitos benéficos. Trabalhos preliminares sugerem a aplicação de altas doses de Arginina por via intravenosa, em muitos casos pós lesões e pós-cirúrgicos; Protetor hepático e detoxificante – Demonstrou-se que a suplementação de Arginina previne os efeitos tóxicos e normalmente mortais da administração de amônia a ratos. Seres humanos que sofriam de algumas formas sérias de doenças hepáticas também foram tratados com Arginina, com excelentes resultados. A L-Arginina pode ser usada no tratamento da cirrose, e na neutralização da amônia; Aumento da fertilidade masculina – A importância da Arginina na produção normal de esperma está bem definida. Diversos estudos demonstraram a relação entre a baixa contagem de esperma e dietas deficientes em Arginina. Em um estudo, homens que apresentavam baixa contagem de esperma responderam favoravelmente à suplementação de Arginina. Mais de 80% deles apresentaram melhora significante quando tomaram 4 g/dia de Arginina via oral; Tratamento da impotência – Trabalhos recentes mostram que a Arginina é um aminoácido importante para a produção de óxido nítrico endógeno, que é fundamental para que haja ereção e sua manutenção (em doses acima de 2 g/dia); além de ser um regulador de tônus vascular (vasodilatador); Tratamento de hiperamonemia associada a defeitos congênitos no ciclo da ureia – Exemplos de problemas causados pelo defeito congênito: deficiência de carbamoil-fosfatosintetase, deficiência de ornitina-carbamoil transferase, deficiência de arginosuccinatosintetase, e deficiência de arginisuccinato liase. A Arginina restabelece os níveis completos de Ornitina e melhora o controle das concentrações de amônia no plasma; Tratamento da artrite e desordens do tecido conjuntivo – Como é um componente do colágeno, e ajuda na construção de novas células dos ossos e tendões, a L-Arginina pode apresentar resultados benéficos no tratamento da artrite e de desordens do tecido conjuntivo.

 

LEUCINA – Aminoácido utilizado como suplemento alimentar. No campo da nutrição clínica, além do seu uso habitual em nutrição enteral e parenteral, a L-Leucina é largamente utilizada em combinação com a L-Isoleucina e L-Valina em preparações ricas em BCAA para pacientes com disfunções hepáticas para melhorar seus estados nutricionais. Como fármaco, é usado na forma de preparações de BCAA para casos de hipoalbuminenia em pacientes hepatocirróticos e também em preparações integrais de aminoácidos. Na indústria de alimentos, é um importante componente na nutrição esportiva e alimentos para a saúde. É também usada como flavorizante e como um lubrificante na produção de comprimidos. Outras aplicações incluem seu uso em produtos para o cuidado dos cabelos. A L-Leucina é obtida por extração de hidrolisados de proteína vegetal ou animal bem como por fermentação a partir de fontes de carboidrato. Ela também pode ser preparada por resolução ótica da forma DL, que é produzida por síntese química a partir do isovaleraldeído. É um aminoácido essencial usado como suplemento dietético e para aumentar a capacidade de cicatrização dos ossos, pele e tecido muscular, razão pela qual é feita sua suplementação antes de cirurgias. Aminoácido cetogênico essencial. As necessidades diárias de um adulto do sexo masculino é de 14mg por Kg de peso corporal. A Leucina é finalmente convertida em ácido acetoacético e ácido acético através do isovaleril-CoA por desaminação e descarboxilação. minoácidos de Cadeia Ramifica (BCAA) são metabolizados apenas no músculo, uma vez que a BCAA aminotransferase não está presente no fígado, mas apenas no músculo. A deficiência da enzima para a descarboxilação a partir do ácido a-cetoisocapróico em isovaleril-CoA é conhecida como doença da urina em xarope de ácer (bordo) que é indicada por sintomas que incluem cetoacidose severa, vômito, dispneia, convulsão, distúrbio de consciência e tônus muscular anormal. A isovalericacidemia é causada por uma deficiência da reação da isovaleril-CoA em ß -metilcrotonil-CoA. A razão molar de cadeias de aminoácidos ramificadas (BCAA) em aminoácidos aromáticos (AAA) é chamada de razão de Fischer, que é usada como indicadora do metabolismo de aminoácidos no fígado. Em doenças hepáticas graves, AAA se acumulam como resultado da baixa atividade metabólica de aminoácidos no fígado e o metabolismo do BCAA no músculo diminui como resultado da reduzida ingestão de proteínas, ambas acarretam em baixa razão de Fischer.

 

ISOLEUCINA – Nutricionalmente essencial. É um aminoácido alifático neutro, de cadeia ramificada. Tem sabor amargo. Dos quatro isômeros conhecidos, somente a L-Isoleucina é encontrada nas proteínas. Pelo fato de que suas propriedades físico-químicas são muito similares às da L-Leucina, a L-Isoleucina pura não é facilmente obtida a partir dos hidrolisados de proteínas, mas pode ser obtida por fermentação. É glicogênica e cetogênica. Forma o ácido acético, (cetogênico) e o ácido propiônico (glicogênico) através do ácido a-metilbutírico. Um desequilíbrio nutricional pode ocorrer com a L-Leucina e a L-Valina (os outros aminoácidos de cadeia ramificada) se os mesmos não forem ingeridos em proporção balanceada. Juntamente com estes dois, está envolvido na regulação da síntese proteica e na manutenção da massa muscular corporal. Normalmente é indicada como ingrediente de soluções parenterais e enterais de aminoácidos e em suplementos de aminoácidos de cadeia ramificada. Aumenta a síntese de hemoglobina. Participa do metabolismo glicídico e ajuda a regular a glicemia.

 

VALINA – A L-Valina é um aminoácido essencial para o funcionamento do organismo. Os aminoácidos essenciais devem ser fornecidos pela alimentação, pois sua produção no organismo é insuficiente às necessidades metabólicas. A L-Valina é fabricada por fermentação a partir de fontes de carboidrato, por extração de hidrolisados de proteína animal e também por resolução ótica da forma DL, que é produzida por síntese química usando isobutilaldeído, etc. como materiais de partida. Além do seu uso habitual em nutrição enteral e parenteral, L-valina é largamente utilizada em combinação com a L-Isoleucina e L-Leucina em preparações ricas em BCAA (aminoácidos de cadeia ramificada) para pacientes com doenças hepáticas para melhorar seus estados nutricionais. Como fármaco, é usada na forma de preparações de BCAA para casos de hipoalbuminenia em pacientes hepatocirróticos e também em preparações integrais de aminoácidos. Na indústria de alimentos, é um importante componente na nutrição esportiva e alimentos para a saúde. É também usada como flavorizante e como um lubrificante na produção de comprimidos. É usado para melhorar o metabolismo muscular e o balanço nitrogenado, juntamente com leucina e isoleucina. Aminoácido essencial, glicogênico. As necessidades diárias de um adulto do sexo masculino são 10 mg por kg de peso corpóreo. A valina é convertida em isobutil-CoA por desaminação e descarboxilação e em ácido propiônico por oxidação do grupo metil e descarboxilação.

 

CAFEÍNA – A cafeína é um composto químico pertencente ao grupo dos alcaloides e se classifica como uma metilxantina. As substâncias alcaloides são conhecidas por sua ação estimulante no sistema nervoso central (SNC). Presente em diversas espécies vegetais, como café, cacau, chá verde, erva mate, guaraná e ainda em bebidas como refrigerantes e energéticos, a cafeína é amplamente consumida pela população de uma forma geral. No entanto, no meio esportivo, a cafeína destaca-se pelo seu potencial como recurso ergogênico, sendo um dos suplementos mais consumidos em todo o mundo. Os recursos ergogênicos são quaisquer substâncias, técnicas ou equipamentos que proporcionam melhora da performance esportiva. Neste sentido, a cafeína é utilizada com o principal objetivo de postergar a fadiga e pode ser usada tanto nas modalidades esportivas que utilizam-se de metabolismo aeróbio, quanto anaeróbio, com ou sem oxigênio, respectivamente. Sua absorção pelo trato intestinal é bastante rápida, chegando a corrente sanguínea cerca de 15 a 30 minutos após sua ingestão, com pico após 60 minutos, ou seja, proporciona um efeito agudo. No entanto, alguns fatores podem interferir nessa metabolização, como peso corporal, gênero, estado de hidratação, consumo habitual de cafeína, dieta, uso de medicamentos, o que também vai interferir na quantidade de metabólitos excretados pela urina. Cada vez mais as pessoas procuram por alternativas que possam manter o estado de alerta para conseguir desempenhar as tarefas diárias. Além do consumo habitual da cafeína devido à sua presença em produtos alimentícios, ela também pode ser usada como suplemento para promover o efeito estimulante e contribuir para a melhora do foco e concentração e redução da fadiga. A via central de ação da cafeína se dá pela estimulação do sistema nervoso simpático, em que há aumento da liberação e ação das catecolaminas, entre elas a adrenalina e noradrenalina. A adrenalina por sua vez promove vasodilatação, glicogenólise e broncodilatação, esses efeitos fisiológicos permitem melhora da irrigação sanguínea, geração de energia e da capacidade respiratória. Além disso, a cafeína bloqueia os receptores de adenosina. A adenosina é um nucleosídeo com ações no sistema nervoso central e também na região periférica, que quando recebe algum tipo de interação no seu receptor A1, há inibição da enzima adenilciclase, proporcionando efeitos e sensações de relaxamento, como redução da frequência cardíaca e respiratória, indução de sono, redução da atividade motora, inibição da liberação de alguns neurotransmissores e hormônios. Porém, a cafeína tem ação antagonista nos receptores A1, com isso há aumento dos níveis de AMPcíclico (AMPc), considerado um segundo mensageiro intracelular, isso significa que as atividades neurais ocorrem de forma mais acelerada, o que se reflete também nas regiões periféricas, tendo em vista que a adenosina está presente em diversos tecidos além do SN, como coração, músculo esquelético e adipócitos. Sendo assim, há aumento da concentração, melhora do humor, diminuição no tempo de reação, aumento da liberação de catecolaminas, aumento da mobilização de ácidos graxos livres e sua consequente oxidação, e uso de triglicérides pelos músculos. Já a ação periférica da cafeína ocorre indiretamente pela ação das catecolaminas, como citado acima ou ainda diretamente no músculo esquelético através da redução do limiar de excitabilidade das fibras musculares. Esse mecanismo permite prolongar a duração da contração muscular e ocorre através do aumento da liberação de cálcio do retículo sarcoplasmático para o sarcoplasma, com isso há aumento das concentrações de cálcio disponível na célula para a realização dessa contração e permitindo maior sensibilidade da actina e miosina (proteínas contráteis das células musculares) ao cálcio. O aumento de cálcio nas fibras musculares desencadeia outro mecanismo de ação que pode aumento da atividade da bomba de sódio e potássio, em que há aumento das concentrações de potássio no meio intracelular e mais baixas no extracelular, garantindo melhora na contração muscular.

 

POLIDEXTROSE – A polidextrose apresenta baixa digestibilidade capaz de produzir efeitos fisiológicos similares aos de fibras alimentares solúveis pela sua capacidade de atingir o cólon intacto, não sofrendo digestão no trato gastrintestinal superior, tanto pela acidez do estomago quanto pelas enzimas digestivas. É reconhecida como uma fibra dietética, na mesma categoria da inulina e galacto-oligossacarideos de soja. A estrutura complexa e compactada da molécula impede sua completa digestão enzimática no organismo, justificando seu reduzido valor energético.

 

INULINA – A Inulina é uma fibra dietética solúvel 100% vegetal, e também um prebiótico, ou seja: ”são ingredientes alimentares não digeríveis, que afetam beneficamente o hospedeiro por estimular seletivamente, um ou um número limitado de bactérias em curto período” (Roberfroid, 1994), pois serve como alimento para as bactérias intestinais (bifidobactérias) que ajudam a regular o intestino e fortalecer o sistema imunológico. É um sacarídeo da classe das frutanas, derivada da raiz da chicória e encontrada também em muitos alimentos, tais como a alcachofra, aspargo, alho poró, cebola, alho, trigo e o yacon. É muito utilizada por diabéticos, pois apesar de ser um tipo de açúcar, sua glicose não é totalmente absorvida pelo organismo, sendo assim não interfere na glicemia. Quando degradada, a Inulina dá origem ao FOS (frutooligossacarídeos), mas ao contrário dos outros nutrientes pertencentes à classe dos FOS, ela possui resistência à acidez gástrica, à hidrólise pelas enzimas gastrointestinais e à absorção gastrointestinal, consequentemente chega intacta ao cólon. A Inulina pode apresentar ações anti-carcinogênica, antimicrobiana, hipolipemiante e hipoglicêmica. Também pode auxiliar no aumento da absorção de minerais, como o cálcio, proporcionando atividade antiosteoporótica e antiosteopênica. A possível atividade anti-carcinogênica da Inulina pode ser creditada em parte a uma possível ação anti-carcinogênica do butirato. O butirato, juntamente com outros ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), é produzido pela fermentação bacteriana da colônia dos frutanos no cólon. A fermentação ocorre preferencialmente por lactobacilos e bifidobactérias do cólon, produzindo lactato e AGCC. O lactato e os AGCC contribuem para a manutenção de um pH intestinal mais baixo, reduzindo a colonização do intestino grosso por bactérias patogênicas como Clostridium e E.coli, causadores de diarreia. Os AGCC são: acetato, butirato e propionato. Eles atuam como fonte de energia para os colonócitos, estimulando o trofismo intestinal e aumentam a reabsorção de água e eletrólitos pelas células do intestino. A Inulina pode reduzir os níveis séricos de triglicérides. O mecanismo de ação deste possível efeito ainda não está esclarecido. A diminuição da síntese de triglicérides nos hepatócitos é o mecanismo hipotético possível. A Inulina pode também reduzir os níveis de colesterol total e do colesterol LDL. O propionato, um produto derivado da fermentação bacteriana no cólon, pode inibir a HMGCoA redutase, limitando a síntese de colesterol. Os possíveis efeitos da Inulina na glicemia podem ser explicados de algumas maneiras. A Inulina pode retardar o esvaziamento gástrico e/ou reduzir o tempo do trânsito no intestino delgado. O propionato pode inibir a gliconeogênese através da sua conversão metabólica em metilmalonil-CoA e succinil-CoA. Estes metabólitos podem inibir a piruvato carboxilase. O propionato pode também reduzir os níveis plasmáticos de ácidos graxos livres. Altos níveis de ácidos graxos livres reduzem a utilização da glicose e induz à resistência à insulina. O propionato pode aumentar a glicólise via depleção de citratos nos hepatócitos. O citrato é um inibidor alostérico da fosfofrutoquinase. A Inulina pode se ligar a minerais tais como o cálcio e o magnésio no intestino delgado. Os ácidos graxos de cadeia curta formados pela fermentação bacteriana podem facilitar a absorção colônica do cálcio, e possivelmente também de íons de magnésio. Este efeito pode ser benéfico na prevenção da osteoporose e da osteopenia. A Inulina apresenta benefícios na modulação da ecologia microbiana entérica, aumentando a imunidade gastrointestinal. A Inulina pode ser favorável no controle da glicemia e, insulinemia e perfil lipídico. A Inulina pode proteger contra o câncer.

 

ACEROLA – A acerola é uma planta originária da América Central, rica em vitamina C e contém ainda sais minerais, proteínas, flavonoides, caroteno e vitaminas do complexo B. É utilizada como suplemento nutricional e fonte de vitamina C, com alta atividade antioxidante. A vitamina C contribui para fortalecer o sistema imunológico do organismo. Além disso, possui ação antiescorbútica e antioxidante, neutralizando os radicais livres o que contribui para retardar o envelhecimento. 100mL de suco de acerola contém 1000 – 5000mg de vitamina C, enquanto que a mesma quantidade de suco de laranja contém 80mg, suco de limão puro 30mg, suco de goiaba 180mg e suco de caju 120mg. O maior teor de vitamina está nos frutos quase maduros (amarelos) embora o sabor do fruto maduro (vermelho) seja mais agradável. No ensaio de conservação foi verificado que a polpa mantida congelada perde lentamente a vitamina C, enquanto os frutos congelados não perdem. Uma vez no organismo, o ácido ascórbico se converte de maneira reversível a ácido dehidroascórbico. O metabólito principal se excreta pelos rins como um sal tipo oxalato. Entre as principais funções da vitamina C está o favorecimento da fabricação de colágeno (favorecendo a cicatrização de feridas), contribui no metabolismo de cálcio e aminoácidos, participa na síntese da noradrenalina, promove a melhor absorção do ferro e facilita sua acumulação na medula, baço e fígado, contribui no fortalecimento dos vasos sanguíneos. A riqueza de taninos lhe confere propriedades adstringentes. O extrato etanólico elaborado com suas folhas tem demonstrado possuir propriedades antifúngicas.

 

CHÁ VERDE – O chá produzido a partir das folhas da planta Camellia sinensis é, depois da água, a bebida não alcoólica mais consumida no mundo. Durante séculos, o chá tem sido considerado pelos orientais como uma bebida saudável, sendo utilizado na China há aproximadamente 3.000 anos, sendo este país o seu principal produtor. A C. sinensis é amplamente cultivada no sul da Ásia, incluindo China, Índia, Japão, Tailândia, Sri Lanka e Indonésia. A medicina chinesa tradicional recomenda o consumo do chá, pois o considera uma bebida benéfica à saúde, devido às suas propriedades antioxidantes, antiinflamatórias, antihipertensivas, antidiabéticas e antimutagênicas. Os polifenóis contidos no Chá verde são as catequinas, com múltiplas estruturas ligadas como anéis. Os Polifenóis são uma forma de bioflavonóides com vários grupos de fenol. Eles controlam as atividades do sabor e ações biológicas. A dominante e mais importante catequina do Chá verde é (-) Epigallocatechina Gallate (EGCG), um potente antioxidante utilizado na produção de alimentos, assim como em pesquisas com animais. Os grupos de fenóis capturam pró-oxidantes e radicais livres. EGCG chega a ser 200 vezes mais poderoso do que a vitamina E em neutralizar os pró-oxidantes e radicais livres que atacam os lipídios no cérebro, in vivo. É 20 vezes mais potente que a vitamina E em reduzir a formação de peróxidos pelo método do oxigênio ativo, in vitro. O Chá verde extrato é usado primeiramente por sua capacidade de combater radicais livres, mas existem várias outras aplicações. Seu ingrediente chave (-) Epigallocatechina Gallate (EGCG), protege contra infecções digestivas e respiratórias. (Uma solução de 1 mcg/ml de EGCG inibiu a influência de vírus in vitro). Isto ajudou a bloquear as ações progressivas do câncer, luz ultravioleta, e metástase em sinais de nascença da pele, estômago,intestino, fígado ou pulmões. Altas quantidades (0.5% a 1% da dieta) foram protetoras contra os níveis de colesterol LDL em uma dieta, colesterolêmica em ratos. Catequinas cruas a 0.5% da dieta mostrou ser efetiva em reduzir as pressões sanguíneas em ratos hipertensivos. EGCG também reduz a agregação plaquetária mais do que a aspirina ou a Ginkgo biloba extrato seco. Chá verde é muito efetivo em inibir bactérias patogênicas que causam o envenenamento alimentar, mas aumenta os níveis de acidophilus (bactéria amigável), 500 mg catequinas (250 mg EGCG) diariamente regularizou os hábitos intestinais significantemente. Chá verde extrato seco também bloqueou a associação da bactéria associada com a cárie dental. O Chá verde auxilia no emagrecimento, promove a queima de gorduras localizadas, diminui as taxas de colesterol, além de ativar o sistema imunológico e previnir o câncer.

 

CHÁ BRANCO – Camélia sinensis é uma planta da família Theaceae. Os chás branco, verde e preto são colhidos desta espécie, mas processados diferentemente para alcançar níveis variados de polifenóis. Suas folhas possuem cerca de 30% de compostos polifenólicos, principalmente epicatequinas, cuja principal propriedade terapêutica é a propriedade antioxidante. O Chá Branco, também conhecido como “White Tea”, entre todos os chás conhecidos é o que apresenta maior concentração de polifenóis além de outros antioxidantes que ajudam a neutralizar os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento celular. A concentração destes polifenóis é superior mesmo ao afamado chá verde e isso ocorre, pois, o Chá Branco é menos processado que o chá verde. Além dos polifenóis também é rico em manganês, potássio, ácido fólico e vitaminas C, K, B1 e B2. Assim como o chá verde, o branco acelera o metabolismo e ajuda a eliminar a gordura corporal. Porém, ainda não se comprovou o quanto exatamente o chá branco é mais eficiente do que o verde para emagrecer. Pesquisas indicam que a versão verde aumenta a queima de calorias em cerca de 4%. Os polifenóis, principalmente epigalocatequina e epigalocatequina – 3 – galato, inibem a proliferação celular e as atividades relacionadas ao desenvolvimento de tumores, exercendo ações antioxidantes, o que atribui ao fitoterápico o efeito quimiopreventivo. Os polifenóis juntamente com as catequinas e derivados formam complexos com as enzimas digestivas, diminuindo assim a absorção de lipídeos e açucares. Os polifenóis, ainda, são responsáveis pela atividade antimicrobiana, pois apresentam um efeito inibitório sobre a enzima transcriptase inversa, necessária para a replicação de certos vírus. Um estudo em 2004 (Science Daily “White Tea Beats Green Tea In Fighting Germs”) mostrou que o Chá Branco apresenta maiores propriedades antiviral e antibacteriana do que o chá verde. O Chá Branco é indicado para: Prevenir o envelhecimento cutâneo – Entre todos os chás, é o mais rico em substâncias antioxidantes, nutrientes capazes de combater os radicais livres responsáveis pelo envelhecimento precoce das células; Prevenir doenças cardíacas – Controla a pressão arterial e possui ação vasodilatadora, fortalecendo e aumentando a capacidade dos vasos sanguíneos. Além disso, o chá branco pode atuar na diminuição das taxas de LDL (o colesterol ruim que bloqueia as artérias), evitando problemas cardíacos, como aterosclerose e infarto; Emagrecer – Acelera o metabolismo, estimulando a queima calórica; Combater doenças imunológicas – Uma pesquisa americana da Universidade Pace, de Nova York, constatou que a bebida combate as bactérias causadoras da pneumonia e das cáries, além de aumentar a imunidade do corpo; Prevenir o câncer – Recentes estudos feitos com ratos comprovaram sua eficiência em inibir mutações genéticas que poderiam culminar em câncer.

 

HIBISCUS – Trata-se de um subarbusto, ereto, de caule arroxeado, de 80-140 cm de altura, nativa da África. Folhas alternas, verde-arroxeadas, longo-pecioladas, inteiras na base da planta e 3 ou 4 lobadas no ápice, com margens denteadas, de 5-12 cm de comprimento. Flores solitárias, axilares de coloração amarela. Os frutos são cápsulas revestidas por pêlos híspitos. Foi introduzida na Europa no final do século passado, mas não foi bem aceita inicialmente devido à sua forte coloração avermelhada. Atualmente, está presente na formulação da maioria dos chás aromáticos consumidos no continente europeu. A espécie possui propriedades anti-inflamatórias e demulcentes (protege as membranas mucosas e alivia as irritações) úteis em casos de constipação e irritação das vias respiratórias. Tem ação antiespasmódica, diurética, digestiva, laxante suave, corante e aromatizante. Atenua espasmo e cólicas uterinas e gastrointestinais; aumenta a diurese e favorece a digestão lenta e difícil. Possui ainda propriedade anti-hipertensiva e calmante. As antocianidinas proporcionam efeito vasodilatador periférico e angioprotetor. A infusão do cálice e brácteas das flores é usada para problemas digestivoestomacais, como refrescante intestinal, diurético e protetor de mucosas (bucal, bronquial e pulmonar).

 

AÇAÍ – O açaí é o fruto do açaizeiro, uma palmeira característica das várzeas e margens dos rios amazônicos. A árvore apresenta um tronco delgado, podendo atingir até 30 metros de altura. É uma espécie nativa das várzeas da região amazônica, especificamente dos seguintes países: Venezuela, Colômbia, Equador, Guianas e Brasil. O açaí é um alimento muito importante na dieta dos habitantes da Amazônia, onde seu consumo remonta aos tempos précolombianos. Hoje em dia é cultivado não só na Região Amazônica, mas em diversos outros estados brasileiros. Produz frutos de cor violeta escuro, de sabor característico. O açaí possui propriedades nutricionais incontestáveis. São ricos em proteínas, fibras, lipídios, vitamina E minerais, além de apresentar elevado teor de antocianinas. A quantidade de flavonóides do açaí é 30 vezes a quantidade encontrada no vinho tinto. Contém uma grande quantidade de vitaminas e de antioxidantes em sua composição que atuam diretamente na eliminação dos radicais livres. O Açaí é indicado para prevenção e redução das doenças correlacionadas a efeitos nocivos de radicais livres, como enfermidades cardiovasculares e circulatórias e cancerígenas. Devido a sua rica composição, pode ter colaboração positiva para muitas doenças e problemas de pele, como acne, dermatite atópica e nos tratamentos anti-idade, muitas vezes relacionados com processos inflamatórios. Ajuda a manter um sistema imunológico saudável. Possui propriedades que protegem contra a hiperplasia da próstata, revelou um estudo da Faculdade de Farmácia da UBR (Universidade do Brasil). O “Journal of Agriculture and Food Chemistry” também publicou, em fevereiro de 2006, um estudo realizado por Del Pozo-Insfran que relata que os polifenóis do açaí induziram a apoptose das células leucêmicas humanas. Este estudo confirmou que o açaí é muito rico em antioxidantes.

 

RESVERATROL – O Resveratrol é um antioxidante que pode ser encontrado em diversas plantas, sendo que, a casca das uvas é especialmente rica neste componente. É produzido naturalmente pelas plantas quando estão sob ataque de patógenos e radiação UV. É um suplemento nutricional derivado da knotweed japonês (Polygonum cuspidatum). As moléculas do Resveratrol são produzidas pelas plantas em situações de estresse leve, e quando esta substância é levada para o organismo humano atua como antioxidante natural protegendo o corpo do envelhecimento celular e aumentando a longevidade. Pode ser indicado na prevenção de doenças cardiovasculares por ser um inibidor da agregação plaquetária, combater o colesterol (LDL) e melhorar a flexibilidade dos vasos sanguíneos. Foi realizado um estudo sobre longevidade na Drosophila melanogaster, mosca bioquimicamente semelhante ao ser humano. O tratamento com a molécula de Resveratrol tornou mais ativa a parte do cromossomo em que estão os genes controladores da longevidade da Drosophila e responsáveis por enzimas de reparação de DNA. Segundo o Professor Gilson Cunha essa atividade ajudaria a suprimir o acúmulo de danos ao DNA, mecanismo fundamental no surgimento de câncer e outros distúrbios. Em 2006, um estudo realizado por Sinclair mostrou que o Resveratrol neutralizou os efeitos negativos de uma dieta rica em gordura nos ratos. A dieta rica em gordura forneceu 60% de energia proveniente de gordura, e os ratos consumiram cerca de 30% em calorias, mais do que os ratos na dieta padrão. A insulina e a glicose em ratos na dieta com alto teor de gordura + Resveratrol estavam mais próximos dos ratos na dieta padrão do que os ratos na dieta com alto teor de gordura. Além disso, existem estudos que relacionam o uso do resveratrol com a melhora do desempenho atlético e também com a redução da pressão arterial em idosos.

 

SELÊNIO – O selênio é um mineral essencial que o organismo necessita em quantidades mínimas. O selênio oferece proteção contra diversos cânceres e contra um amplo espectro de doenças como: doenças crônicas, como arterosclerose (doença das artérias coronarianas, doença cerebrovascular e doença vascular periférica), doença degenerativa das articulações (artrite), cirrose e doença pulmonar obstrutiva crônica (enfisema). É indicado como preventivo nas alterações degenerativas do pâncreas; exerce efeito protetor, retardando o desenvolvimento do tecido cancerígeno; deficiências imunológicas; também protege contra os efeitos tóxicos do cádmio, mercúrio, chumbo e outros metais tóxicos formando complexos biologicamente inativos; outra característica do selênio é que aumenta a efetividade da vitamina E; é um antioxidante que ajuda a prevenir a ruptura dos cromossomas dos tecidos. O leite humano contém 6 vezes mais selênio do que o leite de vaca e 2 vezes mais vitamina E, a deficiência de selênio está relacionada com a morte súbita infantil. A deficiência de selênio pode produzir distrofia muscular, diástese exudativa, necrose do fígado e infertilidade. O selênio protege a pele contra os raios ultravioleta. O selênio também tem sido estudado e utilizado no tratamento de pacientes com AIDS e com Ebola Vírus.

 

CRAMBERRY – O Cranberry é uma planta nativa da América do Norte que apresenta em sua composição antocianidinas, flavonóides, proantocianidinas, taninos condensados e ácidos fenólicos, estes componentes podem impedir a adesão de certas bactérias, incluindo a Escherichia coli, associada às infecções do trato urinário. As propriedades de anti-adesão do Cramberry podem também inibir as bactérias associadas à úlcera estomacal. Pesquisas científicas recentes também demonstram que o Cramberry contém quantidades significativas de antioxidantes e outros fitonutrientes com o potencial de impedir danos oxidativos causados pela espécie reativa do oxigênio, deste modo, protege o organismo contra doenças cardiovasculares e câncer. É bastante indicado para prevenção de infecções do trato urinário; tratamento de infecções do trato urinário; Redução de risco de infecções do trato urinário inferior e sintomas urinários durante a radioterapia do carcinoma de próstata. Outros benefícios do cranberry são de reduzir a inflamação, dor e melhorar a digestão. O cranberry inibe a adesão das bactérias (frequentemente E. coli) ao trato urinário talvez devido a um polímero contido na planta. Isto permite que as bactérias sejam eliminadas. O ácido benzóico na planta trabalha como um preservativo natural. O cranberry tem sido usado para impedir pedras nos rins e sangramento da bexiga assim como para remover toxinas do sangue. O cranberry tem sido recomendado por muito tempo para pessoas com infecções recorrentes do trato urinário. O cranberry pode ser usado para impedir não somente infecções do trato urinário, mas também eliminar os odores associados com a incontinência. Os cranberries contêm quantidades significativas de flavonoides e de compostos polifenólicos capazes de inibir a oxidação da lipoproteína de baixa densidade (LDL), contribuindo assim, com a redução do risco de desenvolver doença de coração, melhorando os níveis de colesterol, a aterosclerose diminuído o risco de ataque cardíaco.

 

BERINJELA – A berinjela (Solanum melongena L.) é uma planta da família Solanaceae, originária da Índia e introduzida no Brasil no século XVI. A planta apresenta porte arbustivo, caule semilenhoso, podendo alcançar até um metro de altura, com folhas alternas, ovadas, angulosas e de cor esbranquiçada, sendo pilosa na epiderme inferior. Suas flores violáceas podem apresentar manchas amareladas. Fornece fruto ovóide e oblongo, com epicarpo de coloração vinho escura intensamente brilhante, muito apreciado na culinária e comestível em diferentes formas de preparo. A berinjela é indicada como hipocolesterolêmico, diurético, colagogo, antioxidante, hipoglicemiante, e como coadjuvante nas dietas de emagrecimento. A redução do colesterol plasmático ocorre por inibição na absorção do colesterol, por ligação de algum componente da berinjela com sais biliares essenciais na absorção intestinal do colesterol e devido à presença da niacina. A redução do colesterol tecidual está relacionada à ação antioxidante e a diminuição do colesterol plasmático, a redução da peroxidação lipídica das LDL nativa, oxidadas e da parede arterial provoca uma significativa proteção sobre o endotélio vascular. Os flavonóides extraídos da berinjela atuam como potente antioxidante por diminuírem os níveis das hidroxiperoxidases. O alto teor de fibra presente na berinjela forma um gel no lúmen intestinal modificando a estrutura da mucosa do intestino e aumentando a produção de mucina, que atua com barreira para a absorção de glicose auxiliando no controle do diabetes e do peso corpóreo.

 

TAMARINDO – O tamarindo (tâmara da Índia) é originário da África Tropical, de onde se dispersou por todas as regiões tropicais. Árvore de porte majestoso, alcança até 25 m. Sua propagação se dá por sementes, alporquia ou garfagem. A polpa é acidulada, sendo consumida fresca, seca ou cristalizada, também usada para preparo de refrescos, sorvetes, pastas, doces e licores. As sementes são cozidas e podem ser consumidas como aperitivo. O tamarindo contém alto conteúdo de vitaminas e minerais. A polpa tem 98% de ácido tartárico e açúcares solúveis, além de ser rica em pectina, ácidos orgânicos, vitaminas B e C e betacaroteno. As folhas contêm fósforo, potássio, cálcio, magnésio, vitamina C e betacaroteno. As sementes são ricas em proteínas e minerais, como cálcio, fósforo, potássio e magnésio. Seu sabor ácido-doce é inigualável para uso na culinária. Na África, há tipos mais doces, mais ácidos, com menor ou maior teor de polpa, além do tamanho variável do fruto, sua facilidade de extração da polpa e também quanto ao porte da planta. O tamarindo é indicado em casos de febre, intestinos presos, inflamações da garganta e estômago, hematemese, vermes intestinais, tosse.

 

CARBONATO DE CÁLCIO – O carbonato de cálcio é um sal inorgânico, sólido branco, cuja fórmula molecular é CaCO3(s). Esse sal é muito comum na natureza, sendo encontrado em diversos lugares, tais como nas conchas, nos recifes de corais, nas cascas de ovos, nas carapaças de seres marinhos, no calcário e no mármore. O Carbonato de cálcio é um repositor de cálcio, que é um mineral essencial para a formação e manutenção dos ossos e dos dentes, e fundamental para o crescimento, atua na coagulação sanguínea, na contração e relaxamento muscular, na transmissão de impulsos nervosos e ainda tem atuação no ritmo cardíaco. O Carbonato de cálcio está indicado para o tratamento da hipocalcemia e dos estados de deficiência de cálcio, tais como osteomalácia e raquitismo, e como tratamento complementar da osteoporose de várias etiologias (pós-menopausa, senil e induzida por corticosteróides e como consequência de gastrectomia ou de imobilização). O Carbonato de cálcio também está indicado no aumento das necessidades de cálcio que ocorrem durante a gravidez, a lactação e crianças em fase de crescimento. O Carbonato de Cálcio é utilizado também como antiácido, para contornarmos seu efeito constipante, é ministrado, normalmente, associado a outro antiácido à base de magnésio.

 

VITAMINA C – Atua como coenzima e, sob determinadas condições, como agente redutor e antioxidante. Direta ou indiretamente fornece elétrons a enzimas que requerem íons metálicos reduzidos. Age como cofator para prolil e lisil hidroxilases na biossíntese do colágeno. Participa também do metabolismo de ácido fólico, fenilalanina, tirosina, ferro, histamina, norepinefrina e alguns sistemas enzimáticos de fármacos, bem como da utilização de carboidratos; da síntese de lipídios, proteínas e carnitina; da função imune; da hidroxilação da serotonina; e da preservação da integridade dos vasos sanguíneos. É rapidamente absorvido do trato gastrintestinal; a absorção pode ser reduzida com doses altas. É eliminada pela urina, a maior parte na forma de metabólitos. Em tratamentos, é utilizada na profilaxia e tratamento de deficiência de ácido ascórbico.

 

VITAMINA K2 MK7 – A vitamina K2 é uma subclasse da vitamina K. Dentro de vitamina K2, existem diferentes variantes, sendo que a Vitamina K2 – MK-7, na forma de menaquinona, é a única que tem sido considerada biodisponível, e tem uma meia-vida longa na corrente sanguínea após a ingestão oral, proporcionando assim todos os benefícios relacionados a esta vitamina, como melhorar a saúde cardiovascular, aumentando simultaneamente a densidade mineral óssea. Através do envelhecimento, desnutrição ou doenças, há uma deficiência na produção de Vitamina K2 no organismo. Como um dos principais resultados dessa deficiência, o cálcio não é incorporado corretamente aos ossos, tornando-os fracos e quebradiços, enquanto há um acumulo nas artérias. Esse cálcio acumulado endurece e bloqueia as artérias. Atualmente a deficiência desta vitamina está se tornando um problema importante, pois está associada a diversos problemas de saúde como osteoporose, fraturas ósseas frequentes, e riscos cardiovasculares. Assim, é muito importante a suplementação da dieta com uma quantidade apropriada de Vitamina K2 – MK-7, para se obter ossos e artérias saudáveis. A Vitamina K2 – MK-7 age dentro de diversos órgãos do corpo para manter as funções adequadas de proteínas vitais que dependem da vitamina K para sua ativação. É considerada um co-fator de um número grande de vias bioquímicas, para ativação e aceleração de vários processos no nosso organismo. A reação mais comum dependente da vitamina K2 é a reação de carboxilação, a qual mantém consistente seu mecanismo de ação proposto. Dentro dos ossos, a Vitamina K2 – MK-7 é responsável por manter o funcionamento adequado da osteocalcina, através da ativação do processo de carboxilação dessa proteína. A osteocalcina é uma proteína secretada pelos osteoblastos, e está diretamente envolvida na regulação da maturação óssea. A osteocalcina quando carboxilada tem a capacidade de fixar o cálcio circulante ao osso, promovendo assim a mineralização óssea. Se a osteocalcina não sofre carboxilação, é inativada e não consegue manter o cálcio ligado ao osso, o que os torna fraco, aumentando os riscos de fraturas e osteoporose. A Vitamina K2 – MK-7 promove, portanto, o fortalecimento da estrutura óssea, prevenindo a osteoporose e fraturas ósseas. A Vitamina K2 – MK-7 participa também da carboxilação da proteína Gla da Matriz (MGP), proteína essa que está envolvida diretamente na inibição da calcificação arterial. No seu funcionamento normal, quando carboxilada, a proteína Gla da Matriz (MGP) impede a deposição de cálcio nas artérias, ou seja, remove o cálcio das artérias impedindo a formação de placas endurecidas e riscos cardiovasculares. Quando há uma deficiência de Vitamina K2, a proteína Gla da Matriz (MGP) fica descarboxilada, ou seja, tem um funcionamento inadequado, prejudicando a função normal do processo de remoção de cálcio das artérias aumentando o risco de calcificação arterial. A Vitamina K2 – MK-7, portanto promove a funcionamento normal da proteína Gla da Matriz (MGP), impedindo o depósito de cálcio nas paredes das artérias, diminuindo os riscos cardiovasculares.

 

VITAMINA B2 – A Riboflavina é uma vitamina hidrossolúvel essencial para a utilização da energia dos alimentos; ela atua na geração de energia via ATP. As formas ativas fosforiladas, flavina mononucleotídeo (FMN) e flavina adenina dinucleotídeo (FAD), estão envolvidas como coenzimas nas reações metabólicas de oxidação/redução no corpo. A exigência de Riboflavina é frequentemente relacionada com o gasto de energia pelo organismo, mas parece estar mais relacionada com o metabolismo de repouso. Assim como outras vitaminas do complexo B, a Riboflavina age como uma coenzima no metabolismo das proteínas, gorduras e carboidratos. Ela também está envolvida no metabolismo de várias vitaminas do complexo B (como ácido fólico e niacina) e é necessária para o bom funcionamento da Piridoxina ou Ácido Nicotínico. Além disso, a Vitamina B2 participa da produção de hormônios no córtex adrenal. Devido à sua alta concentração nos olhos, médicos especialistas estão considerando a possibilidade de que ela esteja envolvida no processo da visão, possivelmente transmitindo estímulos luminosos para o nervo visual. Deficiência de Vitamina B2 A deficiência de Riboflavina se desenvolve quando a dieta é inadequada. Essa deficiência leva ao desenvolvimento de uma síndrome bem definida conhecida por arriboflavinose, caracterizada por quilose (condição caracterizada por escamação e fissura dos lábios), estomatite angular, glossite, queratose e dermatite seborréica. Também podem aparecer sintomas oculares, incluindo coceira e queimação nos olhos e vascularização da córnea. Alguns desses sintomas podem, de fato, indicar deficiências de outras vitaminas, como Piridoxina e Ácido Nicotínico, os quais não funcionam corretamente na ausência de Riboflavina. A deficiência de Riboflavina também pode ocorrer em associação com a deficiência de outras vitaminas do complexo B, como acontece na pelagra. A Riboflavina é usada tanto na prevenção quanto na terapia das desordens provocadas pela sua deficiência. Estas desordens podem ter várias origens que não podem ser curadas pela simples modificação da dieta alimentar, cita-se dieta inadequada ou deficiente em casos como alcoolismo em conjunto com baixíssima ingestão de leite e produtos de laticínio. Ela é indicada quando da necessidade crescente de Riboflavina durante a gravidez e lactação, em esportes de alta performance, na hemodiálise crônica, na absorção deficiente de Vitamina B2 e na inflamação crônica do intestino delgado (doença de Crohn, caquexia aftosa, desordens intestinais, etc.). Outras indicações são na fototerapia da hiperbilirrubinemia em neonatais (icterícia neonatal) e na administração prolongada de certas drogas, como contraceptivos orais, antidepressivos tricíclicos, etc.

 

VITAMINA B3 – A niacinamida, ou nicotinamida, é uma das duas formas de vitamina B3; a outra é a niacina. A niacinamida é necessária para centenas de reações enzimáticas; a investigação demonstrou os seus efeitos benéficos na artrite, asma, diabetes, doenças cardiovasculares, stress ou acidentes vasculares cerebrais. A vitamina B3 é indicada para suplementação; tratamento e prevenção do déficit de vitamina B3 (pelagra); tratamento tópico de acne leve a moderada; tratamento oral com tetraciclina para controle de lesões de pênfigo.

 

VITAMINA B6 – A piridoxina (vitamina B6) é utilizada nos tratamentos e na prevenção dos estados de carência da vitamina no organismo, no tratamento de certos distúrbios metabólicos, na depressão e outros sintomas associados a STPM (Síndrome da Tensão Pré-menstrual) e ao uso de anticoncepcionais. É uma vitamina hidrossolúvel, envolvida principalmente no metabolismo dos aminoácidos e também no metabolismo glicídico e lipídico, necessária também para a formação da hemoglobina. A deficiência de piridoxina em humanos é rara, mas pode ocorrer em determinadas situações, como por exemplo nos tratamentos com isoniazida.

 

VITAMINA B5 – O Pantotenato de cálcio (vitamina B5) é uma vitamina hidrossolúvel alifática que se utiliza principalmente em forma de sal de cálcio, a qual é mais estável e depois se transforma no ácido no interior do organismo, tendo a mesma atividade. Encontra-se em muitos alimentos como a carne, os legumes e os cereais integrais, ovos, leite, frutas e as verduras. Faz parte da coenzima A, essencial no metabolismo de hidratos de carbono, gorduras e proteínas. Atua como fonte de ácido pantotênico nas deficiências nutricionais gerais (embora estas deficiências sejam raras), como prevenção da queda de cabelos, em muitas dermatites e também no vitiligo. Por via tópica atua como hidratante e regenerador da epiderme.

 

VITAMINA B12 – A Vitamina B12 é a mais complexa das vitaminas, contém um microelemento, o cobalto que, na B12 purificada, está ligado a um grupo cianeto, o que lhe confere a denominação de cianocobalamina. Constitui um cofator e uma coenzima em muitas reações bioquímicas, como síntese de DNA, síntese de metionina a partir da homocisteína e conversão do propionil em succinil coenzima A, a partir do metilmalonato. A cianocobalamina é a forma mais indicada da cobalamina nos quadros ematológicos e a forma hidroxicobalamina nos quadros neurológicos.

A forma ativa da Vitamina B12 nos sistemas biológicos é a Coenzima B12. Nela o grupo cianeto é substituído por adenosil, em reação catalisada por magnésio, Vitamina B2, vitamina B3 e ATP. Mais de 80% da vitamina presente no fígado se encontra sob a forma de coenzima B12. As aplicações da Vitamina B12 são: Deficiência da Vitamina B12; Tratamento de anemia megaloblastica e perniciosa; Dermatite atópica; Suplementação para idosos. No organismo, apresenta funções como: Participação na síntese do ácido nucléico na forma de coenzima; Formação de células vermelhas do sangue; Mantém as funções normais das células nervosas.

 

ADVERTÊNCIA: Esta formulação foi estudada e desenvolvida pela Biopharma. Não garantimos o efeito do produto caso seja manipulado em outros estabelecimentos, pois a fórmula contém farmacotécnica única com excipientes e aditivos desenvolvidos especialmente para esta formulação, que favorecem e potencializam os ativos de nosso produto para melhor resultado no tratamento.

 

            4.2-) Principais Indicações?

  • – Melhora da performance em exercícios físicos;
  • – Aumento de energia e promoção de massa magra;
  • – Suplementação de nutrientes essenciais;
  • – Promoção da saciedade;
  • – Melhora da flora intestinal;
  • – Promoção da queima de gorduras;
  • – Auxiliar na prevenção de doenças.

 

            4.3-) Contra Indicações?

Gravidez, lactação, crianças, pessoas alérgicas ao leite, intolerantes à lactose, pacientes com gastrite, úlceras gastroduodenais, inflamações gastrointestinais, com sistema cardiovascular debilitado ou doenças cardíacas graves, hipertensos, doenças hepáticas, renais e hipertireoidismo, pacientes em estado de ansiedade, agitação e insônia, arritimias, taquicardia, nefrolitíase, úlcera péptica ativa, síndrome do cólon irritável, esquizofrenia, casos de hipersensibilidade do usuário a algum dos componentes presentes na formulação. Devido ao fato de estimular o sistema imunológico, deve ser usado com cuidado por pessoas em terapia imunosupressiva assim como a administração após um transplante de órgão e por aqueles que sofrem de alguma doença autoimune como lúpus. O uso em excesso de bcaa pode predispor à pellagra. Não é recomendado o uso concomitante com varfarina ou outros anticoagulantes, pois pode inibir o efeito desses fármacos. Deve ser evitado em mulheres com histórico de câncer induzido por estrógenos, pois este apresenta estrutura química semelhante ao estrógeno sintético Dietil-betaestradiol sugerindo que o Resveratrol possa agir como um agonista estrogênico. O resveratrol pode aumentar o risco de hemorragia quando administrado com varfarina, dipiridamol, AINES e aspirina. Não associar a outros estimulantes, pois a potencializa a ação. Evitar o uso em casos de cefaleia crônica ou diabetes, bem como por pacientes em uso de teofilina. A suplementação de Arginina não é recomendada para jovens, cujo desenvolvimento ósseo ainda está incompleto. Pessoas com infecções virais como herpes não devem tomar suplementos de Arginina, que poderia estimular a multiplicação de certos vírus. Contudo, a venda é realizada sob prescrição de profissional habilitado, podendo este ser o nosso farmacêutico de acordo com a Resolução 586/2013 do Conselho de Farmácia. Consulte-o!

 

            4.4-) Referências Bibliográficas (se houver)?

  • – Literatura do Fornecedor
  • – Guia Prático da Farmácia Magistral. 2ª ed., 2002.
  • – Alonso J. – Tratado de Fitofármacos e Nutracêuticos – Editora Corpus, 2004.
  • – BATISTUZZO J.A.de O. Formulário médico Farmacêutico 3ª ed. São Paulo: Pharmabooks Editora, 2006.

 

5-) Composição:

  • Ácido Málico – 50mg
  • Whey Protein Isolado Glambia – 1,5g
  • Betacaroteno – 20mg
  • Astragalus – 20mg
  • Palatinose – 200mg
  • Taurina – 50mg
  • Guaraná – 50mg
  • Arginina – 80mg
  • Leucina – 300mg
  • Isoleucina – 100mg
  • Valina – 100mg
  • Cafeína – 30mg
  • Polidextrose – 100mg
  • Inulina – 80mg
  • Acerola – 100mg
  • Chá Verde – 100mg
  • Chá Branco – 50mg
  • Hibiscus – 40mg
  • Açaí – 100mg
  • Resveratrol – 10mg
  • Selênio – 10mcg
  • Cramberry – 50mg
  • Berinjela – 50mg
  • Tamarindo – 50mg
  • Carbonato de Cálcio – 200mg
  • Vitamina C – 100mg
  • Vitamina K2mk7 – 32 mcg
  • Vitamina B2 – 0,2mgx
  • Vitamina B3 – 7,8mg
  • Vitamina B6 – 1,3 mg
  • Vitamina B5 – 5mg
  • Vitamina B12 – 0,6mg
  • Aroma + Excipientes qsp – 1 sachê

6-) Modo de Usar: Uso oral – Tomar 1 sachê ao dia, diluído em 500ml de água.

7-) Validade: 6 meses

8 -) Advertências:

  1. Nunca compre medicamento sem orientação de um profissional habilitado.
    2. Imagens meramente ilustrativas.
    3. É necessário uma dieta e exercícios físicos para auxiliar a redução de peso.
    4. Pessoas com hipersensibilidade à substância não devem ingerir o produto.
    5. Em caso de hipersensibilidade ao produto, recomenda-se descontinuar o uso e consultar o médico.
    6. Não use o medicamento com o prazo de validade vencido. Qualquer dúvida entre em contato com a Biopharma.
    7. Manter em temperatura ambiente (15 a 30ºC). Proteger da luz, do calor e da umidade. Nestas condições, o medicamento se manterá próprio para o consumo, respeitando o prazo de validade indicado na embalagem.
    8. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.
    9. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.
    10. O uso do medicamento durante o período de amamentação também não é recomendado.
    11. Este medicamento não pode ser partido ou mastigado.
    14. Este medicamento não deve ser utilizado por menores de 18 anos sem orientação médica.
    15. “SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO”.

 

0.0 nota
0
0
0
0
0

Seja o primeiro a avaliar “Suplemento para dar Energia – BIOvita”

Ainda não há avaliações

Perguntas e respostas

Ainda não há perguntas.

Faça uma pergunta

Sua pergunta será respondida pela loja ou por outro cliente.

Agradecemos sua pergunta!

Sua pergunta foi recebida e será respondida em breve.

Erro

Warning

Ocorreu um erro ao gravar sua pergunta. Entre em contato com o administrator do site. Informações adicionais:

Adicionar uma resposta

Agradecemos sua resposta!

Sua resposta foi recebida e será publicada em breve.

Erro

Warning

Ocorreu um erro ao gravar sua pergunta. Entre em contato com o administrator do site. Informações adicionais: